quinta-feira, 22 de maio de 2014

MURO DE CONCRETO

Alunos da UFOP fecham entradas dos campus em apoio à greve

Além de queimar pneus, estudantes estão construindo um muro na estrada principal da universidade e pretendem acampar no local

Enviar por e-mail
Imprimir
Aumentar letra
Diminur letra
Fonte Normal
ufop
Estudantes estão apoiando a greve e cobram um posicionamento da reitoria sobre a paralisação
PUBLICADO EM 21/05/14 - 15h11
Cobrando um posicionamento da reitoria sobre a greve dos servidores técnico-administrativos, que já dura 60 dias, os estudantes da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP) estão fechando a porta dos campi da cidade e também das unidade de Mariana e João Monlevade, todos municípios localizados na região Central do Estado. 


O estudante de turismo Tiago Motta é um dos envolvidos no movimento dos alunos. "Nós não somos contrários à greve. Estamos apoiando os servidores e cobrando um posicionamento do reitor, que a gente não vê se empenhando para resolver o problema, que tem sua origem na política", garante. 
A decisão pela manifestação veio após reunião entre representantes de todas as Centrais Acadêmicas, representando todos os cursos da universidade. A greve está prejudicando serviços que atingem diretamente os alunos. "Estamos sem o restaurante universitário, o que ele tanto o custo de vida de alguns alunos que eles tiveram que voltar para as cidades e perder o semestre. Além disso, a biblioteca que é muito necessária está afetada e a falta de transporte prejudica os trabalhos de campo, fazendo com que estudantes aprendam apenas a teoria, mas não na prática", protesta Motta. 
Para protestar, os alunos tomaram as entradas dos três campi e estão construindo um muro de concreto fechando a entrada principal. Algumas fogueiras com madeiras e pneus também foi feita pelos estudantes. "Nenhum carro entra. Quando o pessoal chega explicamos o motivo e a maioria compreende o que estamos fazendo. Mas, por conta disso, não teremos aula hoje", garante o estudante de turismo. 
A manifestação teve início às 6h e a previsão é que ela aconteça até 22h. Após isso, o objetivo dos alunos é acampar no campus. Na próxima quarta-feira (28) será realizada uma assembleia, na Concha Acústica da UFOP, às 15h. 
A instituição
Conforme a assessoria de imprensa da UFOP, a manifestação não é determinada pela instituição, sendo que cabe aos professores e alunos a decisão de aderir ou não. Por isso, a universidade não tem condições de afirmar que haverá aula nesta quarta. 
Além disso, uma nota de esclarecimento da reitoria foi publicada no site da instituição. No texto a reitoria afirma que assim que teve início o movimento grevista a reitoria instituiu uma comissão de negociação para dialogar e tomar as providências necessárias. Eles ainda garantem que o funcionamento dos restaurantes e das bibliotecas, mesmo que parcialmente, estiveram sempre na pauta de negociações.
Como não houve evolução nessa questão, a Administração Superior teria tomado algumas decisões paliativas, com o pagamento de bolsa-alimentação, mesmo sabendo que isso não resolveria os problemas principais. 
Para ver a nota na íntegra, clique AQUI.

Nenhum comentário:

Postar um comentário