sexta-feira, 30 de maio de 2014

ATENSSÃO PESOAR!

Pesoar.. mudemu prá dia dizoitu (18) purque dia 19  é feriadu i tudu mundo vai viajá... 


Nóis si velá.. uaii  vamu combiná tudinhu...

FESTA JUNINA ESPECIAL DA GREVE!

18/06/2014 - das 14 às 19h

Organização: SINTUFSCar 
 demais Instituições Federais em Greve na região.

Local: UFSCar campus Sorocaba 

Breve outros detalhes!







Oi nóis aí gente!




Para pagamento de auxílio transporte é suficiente que o servidor ateste em declaração a realização das despesas


BSPF     -     29/05/2014




Atestado dos servidores goza de presunção de veracidade

Em recente decisão monocrática, o Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF3) manteve sentença de primeiro grau que fixou a desnecessidade de servidores públicos federais do Poder Executivo, suas autarquias, fundações, empresas públicas e sociedades de economia mista guardarem e entregarem os bilhetes de passagens utilizadas, bem como os recibos de transporte fretado como condicionante para receber o auxílio transporte, bastando para tanto firmar declaração exigida pelo artigo 6º da Medida Provisória nº 2.165-36/2001.

A União recorreu da sentença, alegando que o auxílio transporte não tem caráter indenizatório, tratando-se de mecanismo de incentivo àqueles que preferem fazer uso de transporte coletivo; que a percepção desse benefício está condicionada ao atendimento de seus requisitos, entre os quais a efetiva utilização do transporte coletivo (municipal, intermunicipal ou interestadual) no deslocamento entre a residência do servidor e seu local de trabalho; que a utilização de transporte coletivo é essencial tanto para o recebimento do benefício como para o próprio cálculo de seu valor e que, nos moldes do quanto disposto no art. 2º da Medida Provisória nº 2.165-36/01, o valor pago em transporte coletivo é levado em consideração no cálculo do auxílio transporte, sendo que, nesse contexto, a falta de comprovação de pagamento de passagens de transporte coletivo tem como consequência lógica a impossibilidade de apuração do valor do referido auxílio.

A decisão de segundo grau esclarece que, nos moldes do artigo 6º da Medida Provisória 2.165/2001, o auxílio-transporte será concedido mediante a declaração do servidor e que as informações por ele prestadas presumem-se verdadeiras. Assim, já que a declaração goza, nos termos da lei, de presunção de veracidade, afigura-se desnecessária a apresentação dos bilhetes das passagens ou a comprovação, efetivamente, dos gastos com o transporte coletivo para o deslocamento do servidor entre a sua residência e o seu local de trabalho.

“Tal admissão”, diz a decisão, “se fundamenta no próprio objetivo do qual o auxílio-transporte foi instituído, qual seja, impedir que a remuneração dos servidores seja afetada em função de despesas com o deslocamento, donde se extrai que, na hipótese de o servidor optar por outro meio de transporte, permanecerá o direito ao referido auxílio enquanto perdurarem as circunstâncias que lhe justificam”.

No entanto, o relator ressalva: “a ilegalidade da conduta da Administração em condicionar o pagamento do auxílio-transporte à apresentação dos bilhetes de viagem e/ou comprovação dos gastos com transporte não significa que ela não possa investigar a veracidade das declarações prestadas pelos servidores. Pelo contrário, a Administração não só pode, como deve, na hipótese e existência de indícios de inveracidade em tais declarações, proceder à devida investigação, não só por força do artigo 6º, § 1º da MP 2.165/2001, mas também em função dos princípios constitucionais a que está adstrita, em especial moralidade, eficiência e legalidade.”

Fonte: TRF3


Pessoar.. mudemu prá dia dizoitu (18) purque dia 19  é feriadu i tudu mundo vai viajá... 


Nóis si velá.. uaii  vamu combiná tudinhu...

FESTA JUNINA ESPECIAL DA GREVE!

18/06/2014 - das 14 às 19h

Organização: SINTUFSCar
 demais instituições Federais em rreve na região.

Local: UFSCar campus Sorocaba 

Breve outros detalhes!







Oi nóis aí gente!




             CONVITE! 

                Evento no Rio de Janeiro

                                      
                   URGENTE!

TAs da UFSCar alguém pode participar deste evento? 

A passagem é gratuita e as demais despesas serão pagas pelo SINTUFScar.

Veja o convite do IF Itapetininga!

Boa noite colegas,

Haverá um ato unificado no Rio de Janeiro, concentração 07h no domingo no Colégio Federal dom Pedro II São Cristóvão. 
Iremos fazer ato solene para receber a presidenta que ira inaugural a Trans Carioca

Saida de Itapetininga 22h no sábado, passando dm Sorocaba por volta das 23h na rodoviária.
Transporte na faixa. 
Será um prazer contar com a participação de vocês, por gentileza envie os nomes e RG assim poderemos organizar e ver os lugares.

Abraços

Adriana Cruz
Comando de Greve do IFSP Itapetininga



Os interessados devem entrar em contato comigo.
tantanolive@gmail.com - ainda hoje



quinta-feira, 29 de maio de 2014

A Comissão Especial para discutir a criação da Universidade Federal de Sorocaba foi aprovada na Câmara dos Vereadores de Sorocaba, hoje! 29/05/2014.


Agora a comunidade da região terá a oportunidade de participar das discussões. Parabéns a Sorocaba e a Região Metropolitana!



http://www.cruzeirodosul.inf.br/materia/549211/requerimento-propoe-universidade-federal

28/05/2014

Requerimento propõe Universidade Federal




A Câmara vota amanhã requerimento de autoria da bancada petista que propõe a formação de uma comissão especial encarregada de discutir e encaminhar providências para a criação da Universidade Federal de Sorocaba. O documento assinado pelos vereadores Carlos Leite, Francisco França e Izídio de Brito (todos do PT) destaca que desde 2006 a Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), em acordo com o Ministério da Educação, implantou um campus na cidade prevendo em seu Plano Diretor que viria a ser a futura Universidade Federal de Sorocaba, o que até o momento não aconteceu.

Os parlamentares pretendem abrir o debate com setores organizados da sociedade e as forças representativas com o propósito de levar o empreendimento adiante. A mudança, conforme o líder do partido na Casa, Francisco França, vai ao encontro aos anseios da população".

O encaminhamento da proposta, ainda conforme seus autores, coincide com a instalação da Região Metropolitana de Sorocaba (RMS) que começa a discutir a expansão do ensino superior. Izídio de Brito diz que com a concepção da universidade junto do aproveitamento de toda a estrutura do campus da UFSCar na cidade, o município terá autonomia financeira e administrativa para atender as demandas regionais de novos cursos. "Precisamos aproveitar a implantação da nossa Região Metropolitana de Sorocaba e o plano de expansão de ensino superior do Governo Federal em discussão", ressalta Izídio.

Notícia publicada na edição de 28/05/14 do Jornal Cruzeiro do Sul, na página 007 do caderno A - o conteúdo da edição impressa na internet é atualizado diariamente após as 12h.



Foi um sucesso!






CURSO DE CONCEPÇÃO, ESTRATÉGIA E 

PRÁTICA SINDICAL

Servidores da UFSCar Sorocaba, INSS e IFSP - 

Itapetininga




terça-feira, 27 de maio de 2014




Não se esqueçam!



CURSO DE CONCEPÇÃO, ESTRATÉGIA E PRÁTICA SINDICAL


Data: 28/05/2014
Local: Núcleo ETC
 Horário: 08 às 18 horas.







Paralisação

Universidades Estaduais da Bahia fecham os portões nesta quarta-feira (28)

27/05/2014

 0

Centenas de professores, estudantes e técnicos farão ato de reivindicação na Assembleia Legislativa. Protesto é por aumento no orçamento

As Universidades Estaduais da Bahia (UEBA), UNEB, UEFS, UESB e UESC paralisam as atividades acadêmicas nesta quarta-feira, 28.05, e realizam um ato de protesto na Assembleia Legislativa. A ação é para denunciar à sociedade a grave crise financeira por que passa o ensino público superior da Bahia e reivindicar o aumento no repasse orçamentário do estado. A atividade também faz parte do Dia Nacional de Luta em Defesa das Instituições Estaduais de Ensino Superior – IEES, organizado pelo ANDES – Sindicato Nacional.

Na UNEB, por deliberação de assembleia geral docente, todos os campi ficarão com portões fechados. No campus de Salvador, às 7h, professores, estudantes e técnicos farão manifestação e panfletagem na entrada da universidade. Depois, às 9h, acontece uma mobilização na Assembleia Legislativa da Bahia, com ampla participação da comunidade acadêmica das quatro universidades. Para a atividade são esperados centenas de manifestantes.

Segundo a diretoria da Associação dos Docentes da Universidade do Estado da Bahia (ADUNEB), a reivindicação das UEBA é por, no mínimo, 7% da Receita Líquida de Impostos. O atual repasse de recursos do estado não chega nem a 5%, o que limita o trabalho dos professores em relação ao ensino, pesquisa e extensão. Assim, quem arca com as consequências são os estudantes. Faltam laboratórios adequados, infraestrutura e materiais didáticos. Servidores técnicos e docentes enfrentam também déficit no quadro de vagas, o que sobrecarrega o profissional e leva à precarização do trabalho. Os alunos sofrem ainda por ausência de restaurantes universitários e residências estudantis.

Na UNEB, segundo informações da Pró-Reitoria de Pós-Graduação, devido a atrasos da Secretaria Estadual da Fazenda, há três meses não acontece o pagamento da Bolsa PAC aos professores. A PAC é um auxílio fornecido a parcela dos docentes afastados para cursos de pós-graduação, com o objetivo de custear parte das despesas com pesquisa. Já na UEFS, na semana passada, até os serviços de telefonia fixa (ligações locais e interurbanas) foram suspensos por atrasos do estado no pagamento.

As UEBA pedem socorro e o governador Jaques Wagner se cala. A comunidade acadêmica, unida, tenta sensibilizar o estado que, apenas neste ano, segundo dados do próprio governo, cortou 12 milhões de custeio e investimento. Na luta de professores, alunos e técnicos por maior orçamento para um ensino público superior de qualidade, uma greve unificada das três categorias não está descartada.

- See more at: http://cspconlutas.org.br/2014/05/universidades-estaduais-da-bahia-fecham-os-portoes-nesta-quarta-feira-28/#sthash.8yrg9srs.dpuf

domingo, 25 de maio de 2014



Reunião com alunos.
UFSCAR Sorocaba Em Greve
Vejam a publicação completa e o vídeo.




http://cageos.wordpress.com/2014/05/25/saiba-como-anda-a-greve-dos-tas/


DSCN4726

TAs da UFSCAR em Greve

Um minuto de reflexão...


http://www.cruzeirodosul.inf.br/materia/548648/copa-do-mundo-e-politica

Copa do Mundo e Política

"Os fantasmas e ameaças de vandalismo não podem atropelar a oportunidade cidadã de jogarmos pela vida"

Dom Eduardo Benes Sales Rodrigues 

Valho-me dessa coluna para levar ao leitor a oportuna reflexão do Arcebispo de Belo Horizonte, Dom Walmor Oliveira de Azevedo, sobre a Copa do Mundo com suas implicações políticas. Não é conveniente misturar essa duas dimensões da vida social: o esporte e a atividade política. É necessário manter a distinção sem descurar a relação entre uma e outra. É do que trata o artigo do Arcebispo de Belo Horizonte.

"A Copa do Mundo deste ano pode se tornar um dos mais significativos momentos da história sociopolítica do Brasil. O discurso que se ouviu nas ruas, em junho do ano passado, foi um sinal, obviamente com a recusa radical dos lamentáveis episódios de vandalismo, violência e atentados contra o patrimônio público. Historicamente, a sociedade brasileira sempre viveu o tempo da Copa do Mundo simplesmente como momento de euforia e divertimento. Essa paixão esportiva nacional, com sua força educativa e o gosto gostoso que o futebol dá à vida dos torcedores, indica que é preciso conciliar euforia e divertimento com o viés político e social. 

Os fantasmas e ameaças de vandalismo não podem atropelar a oportunidade cidadã de jogarmos pela vida. O coração apaixonado do torcedor, seu sentimento de pertença à pátria, tem agora a oportunidade de agregar entendimentos, discussões, análises e posturas que nos levem não só a vencer no esporte, mas, sobretudo, contribuam para o crescimento da consciência cidadã. O cenário político, com a singularidade deste ano eleitoral, precisa ser iluminado pela atenção especial que uma Copa do Mundo mobiliza. Não permitir qualquer tipo de violência é de suma importância para que manifestações, debates, discussões e outras condutas cidadãs promovam mudanças nos abomináveis cenários de corrupção, exclusão social e desrespeitos à dignidade da pessoa. 

Pessimismo, vandalismo e até mesmo torcida para que a Copa não dê certo enfraquecerão essa oportunidade de crescimento qualificado da consciência política dos cidadãos brasileiros. É importante tratar adequadamente esse evento para que as eleições não representem apenas um voto dado, mas uma postura com força de transformações em vista de novos cenários. É hora de qualificar a participação política, que não pode se restringir aos atos formais de votar ou de se reunir em associações comunitárias, sindicatos e partidos políticos, mas também inclui a participação e presença nos espaços definidos pela democracia representativa. Esta é a oportunidade para o fortalecimento da competência na defesa dos valores éticos, da inviolabilidade da vida humana, da promoção e resgate da unidade e estabilidade da família, do direito dos pais a educar seus filhos, da justiça e da paz, da democracia e do bem comum. 

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) se posiciona neste momento político por meio de importante manifesto intitulado "Pensando o Brasil: desafios diante das eleições de 2014". Nessa mensagem, aprovada durante sua 52ª Assembleia Geral, afirma que é indispensável combater a corrupção sistêmica e endêmica, invisível e refinada, presente em práticas políticas e no mundo daqueles que exercem o poder econômico, causando desigualdades, aumentando custos e sobrecarregando os destinos da nação. A cada dia se torna mais urgente a reforma política, lamentavelmente não desejada pelos que podem levá-la adiante. Este ano eleitoral, portanto, é oportunidade de checar quem tem condições e vontade política de promover essa indispensável reforma, viabilizando uma série de outras mudanças em vista da edificação de uma sociedade mais justa. 

Na mensagem, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil sublinha que "pesquisas têm indicado uma baixa confiança da população nos poderes instituídos da República. Duvida-se da honestidade de todos os políticos. Desconfia-se da existência dos programas partidários. Mesmo havendo tais programas, não se acredita que os políticos sejam fiéis a eles. Com frequência, esse clima tem levado o cidadão à sensação de que votar não adianta nada e de que a participação política é inútil. Tal atitude, porém, gera um círculo vicioso: o cidadão não participa porque as estruturas do país não correspondem aos interesses do povo; no entanto, tais estruturas não vão mudar sem sua participação. É necessário evitar, a todo custo, o desalento e encontrar oportunidades de agir em favor de mudanças consideradas necessárias". Assim, é importante usufruir bem dessa oportunidade da Copa do Mundo para que sejam promovidas transformações, alcançadas respostas adequadas e se possa engrossar as fileiras dos que, em todos os campos, efetivamente jogam pela vida." 

Dom Eduardo Benes Sales Rodrigues é arcebispo metropolitano da Arquidiocese de Sorocaba (domeduardo@arquidiocesesorocaba.org.br)

quinta-feira, 22 de maio de 2014

MURO DE CONCRETO

Alunos da UFOP fecham entradas dos campus em apoio à greve

Além de queimar pneus, estudantes estão construindo um muro na estrada principal da universidade e pretendem acampar no local

Enviar por e-mail
Imprimir
Aumentar letra
Diminur letra
Fonte Normal
ufop
Estudantes estão apoiando a greve e cobram um posicionamento da reitoria sobre a paralisação
PUBLICADO EM 21/05/14 - 15h11
Cobrando um posicionamento da reitoria sobre a greve dos servidores técnico-administrativos, que já dura 60 dias, os estudantes da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP) estão fechando a porta dos campi da cidade e também das unidade de Mariana e João Monlevade, todos municípios localizados na região Central do Estado. 


O estudante de turismo Tiago Motta é um dos envolvidos no movimento dos alunos. "Nós não somos contrários à greve. Estamos apoiando os servidores e cobrando um posicionamento do reitor, que a gente não vê se empenhando para resolver o problema, que tem sua origem na política", garante. 
A decisão pela manifestação veio após reunião entre representantes de todas as Centrais Acadêmicas, representando todos os cursos da universidade. A greve está prejudicando serviços que atingem diretamente os alunos. "Estamos sem o restaurante universitário, o que ele tanto o custo de vida de alguns alunos que eles tiveram que voltar para as cidades e perder o semestre. Além disso, a biblioteca que é muito necessária está afetada e a falta de transporte prejudica os trabalhos de campo, fazendo com que estudantes aprendam apenas a teoria, mas não na prática", protesta Motta. 
Para protestar, os alunos tomaram as entradas dos três campi e estão construindo um muro de concreto fechando a entrada principal. Algumas fogueiras com madeiras e pneus também foi feita pelos estudantes. "Nenhum carro entra. Quando o pessoal chega explicamos o motivo e a maioria compreende o que estamos fazendo. Mas, por conta disso, não teremos aula hoje", garante o estudante de turismo. 
A manifestação teve início às 6h e a previsão é que ela aconteça até 22h. Após isso, o objetivo dos alunos é acampar no campus. Na próxima quarta-feira (28) será realizada uma assembleia, na Concha Acústica da UFOP, às 15h. 
A instituição
Conforme a assessoria de imprensa da UFOP, a manifestação não é determinada pela instituição, sendo que cabe aos professores e alunos a decisão de aderir ou não. Por isso, a universidade não tem condições de afirmar que haverá aula nesta quarta. 
Além disso, uma nota de esclarecimento da reitoria foi publicada no site da instituição. No texto a reitoria afirma que assim que teve início o movimento grevista a reitoria instituiu uma comissão de negociação para dialogar e tomar as providências necessárias. Eles ainda garantem que o funcionamento dos restaurantes e das bibliotecas, mesmo que parcialmente, estiveram sempre na pauta de negociações.
Como não houve evolução nessa questão, a Administração Superior teria tomado algumas decisões paliativas, com o pagamento de bolsa-alimentação, mesmo sabendo que isso não resolveria os problemas principais. 
Para ver a nota na íntegra, clique AQUI.



 PARA REFLETIR UM POUCO!



Sinasefe Monte Castelo22 de maio de 2014 16:37
Autonomia e participação política
A participação na vida política não é possível sem a atuação consciente de sujeitos autônomos. Em todo o processo participativo é imprescindível a existência do ser livre, como mola propulsora da vida em comunidade.
Todavia, com o individualismo apregoado pelo mecanismo ideológico do capital, a tática é esvaziar o quanto antes o conceito de “espaço público”. Observa-se atualmente as inúmeras desmobilizações que o sistema de controle impõe à vida política. Quanto mais enfraquecido estiver o espírito de pertença à coisa pública, tanto melhor para a ideologia dominante.
Igrejas, sindicatos, partidos, grêmios estudantis são atacados frequentemente pelo mecanismo de controle para difundirem o “salve-se quem puder”. Quem for mais esperto ganha a guerra. Quem aceitar calado a exploração garante o “bom viver” dentro das instituições. É essa a estratégia, que funciona e amedronta, quem costuma viver alheio à participação em comunidade.
Como esta manobra sobrevive? Simples: ameaçando a mobilização conjunta. Em resumo, o alimento do mecanismo implica em usar a máquina de controle para garantir a atuação de medo e subserviência destes espaços, atualmente, em sua grande maioria, manobrados pelo mecanismo da força e da alienação da vida política.
Como elemento de contra-força, quem participa da vida política assume a condição da liberdade dentro do espaço público. É este o momento legítimo da práxis política. Do contrário, o conceito de participação perde sua autonomia. Desse modo, quando é dito, por exemplo, “você é livre para escolher”, e não age de modo a garantir a participação consciente do outro, então é falacioso proclamar o direito à participação.
Em tempos de exacerbado individualismo, em que cada um assume para si o que considera mais oportuno no momento, a herança da polis como tarefa humana básica vai sendo minada. O que rege o modo de atuar no mundo das relações descartáveis é o uso do outro como objeto. Aí acontece o processo de falência do conceito de comunidade.
Ser autônomo, por consequência, não é alimentar o atomismo político, como se vê atualmente. Ao contrário, a autonomia nos lança para o universo da polis, isto é, com a adesão no processo de construção coletiva, todos respondem pelo destino da coisa pública, uma vez que assumiram, pelo uso da liberdade, o fortalecimento do pertencimento ao espaço legítimo da comunidade.
Quando se nega o outro enquanto ser autônomo, nega-se também o direito de pensar a liberdade como fundamento da vida política. Entra em cena então a heteronomia, isto é, postula-se que o outro não é capaz de pensar o destino da polis em comunidade. Os sistemas totalitários funcionam a partir deste mecanismo de negação da autonomia. É mais fácil manipular quem se encontra acuado pelo medo ou pela ignorância.
Além da reflexão sobre o momento de esvaziamento em que se encontra a coisa pública, outro ponto é trazido para o ponto de crise, que é: “que herança deixaremos para as futuras gerações?”...
Enquanto se alimenta a ideia de que “cada um por si e Deus por todos” irá resolver nossos problemas comuns, mais e mais o dia a dia de miséria e violência que nos deparamos ao sairmos de casa ganha acento em nossas discussões, sem que com isso assumamos nossa responsabilidade pelo que é visto, e depois, quase que de modo automático, esquecido.

Jorge Leão
Professor de Filosofia do IFMA – Campus Monte Castelo


ASSEMBLEIA HOJE, 10H - CONFIRMADA

Sindicato Nacional dos Servidores Federais
da Educação Básica, Profissional e Tecnológica





alt


Acompanhem o site da FASUBRA!

http://www.fasubra.org.br/

quarta-feira, 21 de maio de 2014

terça-feira, 20 de maio de 2014



Em Sorocaba, em assembleia realizada hje também, foi unânime a decisão de manter a greve.


Em Assembléia realizada no dia de hoje (20/05), no Saguão da Reitoria da UFSCar, os Trabalhadores Técnico-Administrativos aprovaram por unanimidade a continuidade da Greve e a intensificação da Luta contra a intransgência do Governo Federal. 


A Greve continua na UFSCar.


RELATÓRIO DA REUNIÃO ENTRE FASUBRA E SRT/MPOG, OCORRIDA EM 19/05/2014 

FASUBRA: Luiz Antônio, Paulo Henrique, Gibran, Rosângela, JP, Kátia e Robson.
MPOG: Sérgio Mendonça, Vladimir, Edina.
MEC: Paulo Speller. 

A representação do governo, através do Secretário de Relações de Trabalho (SRT) do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, Sérgio Mendonça, iniciou a reunião informando que, cumprindo o compromisso assumido na reunião do dia 7 de maio, consultou ministros e a junta orçamentária, para verificar a possibilidade de se ter alguma margem de manobra que permitisse avançar em proposta para dialogar com a FASUBRA. Segundo ele, a resposta poderia ser apresentada em ofício enviado a entidade, mas que pela relação da SRT com as entidades do serviço público, a representação do governo entendeu que deveria formalizar na presença da Federação pelo respeito que tem pela entidade, passando a discorrer o seguinte: mantém a posição anterior, ou seja, entendem que estão sob a égide de um acordo e que a margem de manobra é zero.
Após os questionamentos da representação da Fasubra o Secretário da SESu, Paulo Speller, afirmou que já teve um processo negocial e que considera que a Federação não respondeu ao ofício do ministério, portanto não teriam nada a acrescentar. Após a leitura de dois documentos, o primeiro que informa ao Ministro da Educação o posicionamento da categoria em rejeitar e achando insuficiente a proposta apresentada e o segundo que delimitava os seus motivos que passavam pela insuficiência e inconsistência dos elementos ali colocados, o secretário disse que o problema não era a sua formalidade e sim o seu conteúdo. Continuando a ser cobrado pela representação sindical afirmou que tem disposição para o diálogo, e em relação a nossa pauta, tem um ponto em que o governo não negocia que é a EBSERH, pois se trata de posição de governo, o que não significa que haverá negociação para os outros pontos. Ressaltou em sua fala que no processo de negociação com a Federação, o MEC se esforçou e que a resposta que recebeu foi à rejeição à proposta apresentada.
O Secretário da SRT, após diversas considerações apresentadas pela representação da Federação, afirmou que estava convencido de que o governo fez uma boa política para os trabalhadores do serviço público, conforme tem sido afirmado por ele em diversos eventos no Congresso, o que não tem acordo com o movimento. Disse que há uma incompreensão da nossa parte e que há diferença de conteúdo entre as partes e que não estão se pautando pelo momento eleitoral, pois entendem que Dilma não tem nada a esconder e que está preparada para o debate com a sociedade.
Seguiu afirmando que entende que é preciso uma alteração no processo de relação que temos hoje na mesa de negociação, pois considera que o mesmo se esgotou, está falido, e que há necessidade de rever alguns conceitos, talvez no segundo semestre deste ano, como exemplo aponta a necessidade da regulamentação das convenções 151 e 154 da Organização Internacional do Trabalho (OIT), do direito de greve, o efeito dos acordos, a relação com o parlamento, entre outros.
A representação da FASUBRA questionou que se não há nenhuma proposta para a pauta especifica da categoria, se o governo iria apresentar alguma proposta para a pauta geral do funcionalismo publico federal.
Nessa questão mais uma vez o governo foi claro em dizer que não há margem orçamentária para apresentar proposta que tenha impacto financeiro para o funcionalismo.
A representação da FASUBRA retomou o debate cobrando do Secretário da SESu uma agenda com o MEC para tratarmos das demandas da categoria, uma vez que o mesmo insistia em dizer que o conteúdo dos ofícios enviados pela Federação estava incompreensível. Reafirmamos a necessidade da referida reunião, pois em respeito ao Ministro, é preciso um debate presencial e não por oficio. Ao mesmo tempo cobramos do Secretário Sergio Mendonça a intervenção neste processo como forma de garantir a agenda com o MEC.
Finalizando, o Secretario Paulo Speller disse que deveríamos enviar um oficio dizendo do que trataríamos, pois considera que a FASUBRA rejeitou a proposta do governo e o Secretario Sérgio Mendonça se manifestou dizendo que não seria problema dialogar com o MEC e encerrou reafirmando que a proposta não estava mais na mesa.
E com estas manifestações foi encerrada a reunião, tendo a representação da Federação, afirmado que passaria o informe para os sindicatos e o CNG avaliaria no dia de hoje
Sérgio Ricardo Pinheiro Nunes
Coordenador Geral
Sindicato dos Trabalhadores Técnico-Administrativos da Universidade Federal de São Carlos – UFSCar
SINTUFSCar
Rod. Washington Luis, km 235 – Fone: (16) 3351-8393 – Fone fax: (16) 3361-1294
 São Carlos – SP 
Caixa Postal 676 
13565-905

PRA EDUCAÇÃO DECOLAR, NÃO ADIANTA NOS IGNORAR! 
VAI TER QUE NEGOCIAR 


Nosso movimento de greve tem contado com a participação da grande maioria dos TAs.

Vamos continuar trabalhando pelo reconhecimento do nosso trabalho.


Assembelia no campus Sorocaba da UFSCar!
13/05/2014