quarta-feira, 9 de abril de 2014

COMUNICADO n° 04

Comando Local de Greve

São Carlos, 09 de abril de 2014









Pontos discutidos na mesa de negociações com reitoria
09/04/2014

As mesas de negociação com a reitoria tem apresentado uma série de questões que estaremos aqui relatando para conhecimento de todos.
Na primeira mesa, há cerca de uma semana, a reitoria apresentou as seguintes questões para o Comando de Greve discutir e se posicionar:

Diretrizes Propostas Para Atividades Essenciais
a)     Manter funcionando as situações que possam produzir perdas financeiras as pessoas, comprometer a permanência de alunos com dificuldades sócio-econômicas ou que exponha as pessoas a riscos legais, por ex.: folha de pagamento (inclusive bolsista, estagiários e terceirizados), distribuição de alimentos aos alunos, atividades de fiscalização de contratos que trazem multas;
Nossa posição: temos acordo, mas com a ressalva de esclarecimentos sobre “atividades de fiscalização de contratos”. A reitoria ficou de apresentar o que seriam essas “atividades”;
b)     Manter as atividades que envolvam realizam de concursos e processos seletivos públicos;
Nossa posição: tivemos acordo já que essa questão foi aprovada na própria assembleia de deflagração da greve.
c)     Continuar com o tratamento de animais;
Nossa posição: tivemos acordo já que essa questão foi aprovada na própria assembleia de deflagração da greve.
d)     Realizar as atividades que trazem riscos irrecuperáveis, tais como: licitações críticas (por exe. acero corta fogo), criogenia;
Nossa posição: tivemos acordo em relação aos exemplos apresentados, mas pedimos detalhamentos das outras “licitações críticas”. A reitoria ficou de apresentar caso a caso.
e)     Manter a realização de atividades de capacitação e qualificação.        
Nossa posição: tivemos acordo com o que já se encontra em andamento.

·        Pontos Especificos Colocados Pelo Comando

a)     Eleição para a DSG (Diretoria de Serviços Gerais);
Resposta da reitoria:  Comprometeu-se a abrir o processo eleitoral assim que terminar a greve;
b)    A questão dos tercerizados (ameaças, assédio moral e sexual, elas não podem usar o RU e não tem local adequado para fazer suas refeições);
Posição: acordo em se criar um grupo de trabalho, especifíco, para tratar do tema com participação da Administração e do movimento.

c)     Afastamentos para capacitação e qualificação. Não temos isso uniformizado pelos diretores de centro;
d)    Posição: acordo em manter os trabalhos da Comissão que já está instituída pela UFSCar e ampliá-la com representantes da Administração e do movimento;
e)     ON 16. Há servidores que estão sendo notificados. Servidores, nesta folha de pagamento, já tiveram abono de permanência retirado;
Posição: a reitoria admite que houve um recuo por parte do governo e que está discussão será pautada pela ANDIFES e TCU, nos próximos dias;
f)       Sr. Adão ... aposentadoria interrompida por causa da ON16; ( O Sr. Adão foi aposentado aos 70 anos, compulsoriamente, mas teve uma drástica redução do seu tempo de serviço, em razão da ON 16);
Resposta da reitoria e nossa: a reitoria disse não ter poder de interferência nessa questão em razão da vigência da ON 16 – O Sindicato afirmou ter entrado na Justiça para tentar reverter;
g)     Questão da compra dos uniformes para os vigilantes e demais categorias
Resposta da reitoria:  afirmou que algumas licitações já estão em andamento mas que outras, por exemplo, de calçados e uniformes para os trabalhadores do Restaurante Universitário estão sendo verificadas.

CNG e FASUBRA repudiam orientação para corte de ponto



Reunidos na última sexta-feira (06) o Comando Nacional de Greve e a direção nacional da Federação de Sindicatos de Trabalhadores Técnico-Administrativos em Instituições de Ensino Superior Públicas do Brasil (FASUBRA) repudiaram a orientação do Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão (MPOG) de cortar o ponto dos trabalhadores em greve.
O Comando entendeu a atitude como retaliação do governo a um dos maiores movimentos grevistas da história.
“O comunicado do MPOG que orienta o corte de ponto de grevistas, é uma ação que visa punir o forte movimento paredista que se desenvolve nesse momento pelo conjunto do funcionalismo público federal”.
“Essa ação é uma tentativa de desmobilizar nossa categoria e derrotar nosso movimento”, afirmou o Comando.
Ainda segundo o CNG, a greve é legal e o documento emitido é do Poder Executivo e não tem amparo jurídico. Não há nenhuma ação na justiça contrária ao movimento “portanto é uma medida autoritária que fere o direito constitucional de greve”.





Grupo de Estudos Marxistas



Como parte das atividades do movimento grevista da UFSCar, estamos organizando um grupo de estudos com o objetivo de ler e discutir as obras de Marx e de autores da linha marxista.
O pensador alemão Karl Marx (1818-1883), a partir de estudos das ciências humanas e da militância revolucionária, criou um dos sistemas de ideias mais influentes da história. Em sua análise, o autor aponta que tudo está em constante mudança, sendo que as mudanças são geradas pelos conflitos resultantes das contradições da realidade, especialmente pela luta de classes na sociedade capitalista.
Entendemos como fundamental a compreensão das nossas lutas dentro de um contexto social, político e econômico maior e os estudos marxistas certamente podem contribuir para isto. Assim, convidamos os interessados a participarem deste grupo de estudos, todas as quintas-feiras, às 13:30, no SINTUFSCar.



Assembleia amanhã, quinta feira, dia 10, às 9h, no saguão da Reitoria

Nenhum comentário:

Postar um comentário