quarta-feira, 8 de agosto de 2012

A TV Tem disse que a greve acabou... será?

Meus amigos... hoje a TV Tem, subsidiária da TV Globo aqui da região, noticiou o fim da greve na UFSCAR, campus Sorocaba. 

É lastimável perceber que se passa a ideia de que uma Universidade Federal é composta tão somente de docentes. Ou que, em caso da teoria da conspiração seja verdadeira, a mídia seja tão vendida ao governo hora em exercício, que deturpe a verdade ou aleije, para nutrir uma falsa imagem de competência do governo federal em solucionar seus problemas trabalhistas. Problemas esses que se agravam a cada dia, com paralisação de 24h dos funcionários do Banco Central e a paralisação dos correios já tida como certa para outubro.

Ora, os Técnicos Administrativos, categoria a qual pertenço, permanece em greve e rejeitou de forma unânime a proposta de 15,8% de reajuste dividido em 3 anos, tanto pela situação de já termos perdas acumuladas nos últimos 4 anos, quando foi feita a última negociação, também decorrente de uma greve, único instrumento legítimo real que qualquer categoria de servidor público, salvo vereadores, deputados, senadores, que votam seus próprios aumentos de salários e ministros, além de cargos executivos, que são normalmente contemplados nessas votações, tem para pleitear seus direitos, quanto pela proposta não contemplar nenhuma outra reivindicação da categoria, como a situação dos aposentados.

Dessa forma. tudo indica que, após reunião a ser realizada em São Carlos nessa próxima quinta-feira, os docentes devem reassumir suas funções na próxima segunda-feira. 

No entanto, essa volta às aulas não se dará normalmente pela simples verdade de que a greve dos TAs prossegue. E prosseguindo, se espera que algumas ideias que foram propostas durante a greve dos docentes tenham seguimento, como o fato de docentes não efetuarem tarefas de técnicos para não interferir na mobilização dos TAs.

Sim, tal ideia foi proposta. Agora há de se observar quantos docentes retornados de seu próprio movimento se comprometerão com ela e quantos farão pressão para que secretários de curso e técnicos de laboratório "ajudem" com as aulas ou voltem às funções. 

E cabe ao Comando Local de Greve, ao qual pertenço, estar atento para que isso não aconteça. E caso aconteça, não se realize o intento. 

Somos uma categoria sem data-base para repor suas perdas anualmente, como outras categorias o fazem. Como fiscal de contrato, todos os anos tenho que rever os valores que são pagos a empresa que nos fornece prestador de serviço terceirizado de telefonia. Uma data base existe e deve ser respeitada. E o mesmo não se observa para o próprio técnico concursado.

Tudo o que a categoria deseja é justiça, que seja feito o que é certo. A categoria nem pede aumento, apenas as perdas inflacionárias e monetárias, além da revisão de alguns agravos da carreira causados desde 2005. A revisão da situação dos aposentados. 

Não se pede mais do que a constituição nos diz ser certo. E que a televisão não diz nem ser certo e nem errado, pois não diz, não cita e não revela, não noticia e nem esclarece. Apenas, ignora... ou em pior situação... encobre.

Nenhum comentário:

Postar um comentário